Emissora: ABC.
Emissora no Brasil: TV Record e TVS.
Transmissão Original: de 11 de setembro de 1976 a 2 de setembro de 1978.
Duração: 25 minutos.
Temporadas: 1 (22 episódios).
Cores.
Companhias Produtoras: Sid & Marty Krofft Television Productions.

A Série.


Produzida pela dupla Sid and Marty Krofft, a série  Se Meu Bug Falasse marcou toda uma geração de crianças que acompanhavam maravilhadas as peripécias do superbug.

A primeira temporada foi apresentada num horário independente pela rede ABC e a segunda temporada foi exibida dentro do programa Krofft Supershow, que era também apresentado na mesma emissora.

Apesar do orçamento limitado para uma série de aventura, a equipe de produção usava de criatividade para realizar os truques do show. Para dar a impressão do bug falar ou de realizar outras expressões faciais, como, por exemplo, quando resmungava, uma borracha semelhante a uma boca era utilizada num movimento semelhante ao de lábios.

Os efeitos especiais em sua maioria usavam o chromakey, principalmente para as cenas voo do carro, mas eram muito ruins até para os padrões da época.

O espaço do assento traseiro do passageiro que normalmente contem os bancos, tinha uma caixa denominada de “the costume trunk”, que na realidade servia para esconder um motorista em cenas nas quais o carro andava sozinho. O carro também tinha uma antena de rádio bem comprida que às vezes servia com garras.

Apesar de ter durado pouco tempo, a série alcançou uma boa repercussão nos Estados Unidos, tendo sua marca estampada em lancheira, mochilas e revista. Seu sucesso inspirou ainda o lançamento do desenho animado Speed Buggy, que tratava do mesmo tema com incrível semelhança.

A História.


A série Se Meu Bug Falasse começa quando os jovens colegas CC (John Anthony Bailey), Susan (Carol Anne Seflinger) e Barry (David Levy), cansados de andar a pé, juntam suas economias para comprar um carro, mas só tem um probleminha: a grana está curta e a solução é adquirir o tal veículo em um ferro velho. Lá eles encontram um carro do jeitinho que estavam procurando, isto é, barato, apenas 7,90 dólares.

Assim, o bug Shlep finalmente sai do seu cantinho onde passou tanto tempo como uma sucata, encostada e enferrujando, para as ruas. Um carro tão barato assim ainda permitiu com que sobrasse algum dinheiro e para dar uma incrementada no seu novo veículo os três compradores saíram à procura de peças abandonadas pelo ferro velho. Susan encontrou uma velha buzina que deveria ter pertencido a um antigo calhambeque, mas eles não esperavam que esta buzina tivesse poderes mágicos, e quando era tocada transformava a pobre sucata ambulante do Shlep no fabuloso Woderbug, um veículo lindo e superequipado com inúmeras funções, e que podia até voar e conversar com os três jovens.

Em cada episódio CC, Susan  e Barry se metiam em encrencas com os malfeitores e só tinham uma maneira de sair de todas as confusões, conseguir chegar até a buzina para que o Woderbug fizesse o resto do serviço.

Uma das situações que  ficou famosa foi a mania de Barry de repetir as frases e ideias de Susan como se fossem dele, e CC concordar com Barry , levando Susan a ficar irritada. Outra característica bem legal eram os disfarces da turma. Se Barry usava uma roupa de gorila, o gorila usava óculos e também a camisa de futebol americano (número 00) igual a dele. Os bandidos em um primeiro momento não notavam o disfarce, era hilário.

 

No Brasil.


A série Wonderbug, foi batizado no Brasil de Se Meu Bug Falasse, aproveitando-se do grande sucesso que os filmes do Herbie o fusca faziam na época.

O seriado estreou em outubro de 1978 na TV Record junto com  O Doutor Encolhedor. Estes seriados faziam parte de um show de variedades intitulado The World of Sid & Marty krofft.  Voltou à programação da emissora em 1982 onde ficou até 1984 também sendo mostrada pela TVS.



style=”display:inline-block;width:300px;height:250px”
data-ad-client=”ca-pub-7216971035978343″
data-ad-slot=”8029069552″>

WordPress Video Lightbox Plugin